Quem é você, Alasca? John Green

alasca

Quem já leu livros do Green, percebe alguns padrões nas suas histórias. Como por exemplo: uma personagem feminina poderosa. Não é novidade que ele é um grande defensor das mulheres e acima de tudo, se importa muitíssimo com todas elas. Desde que fiquei sabendo que esse livro foi o primeiro escrito pelo autor, fiquei muito curiosa para descobrir sobre o que se tratava a história. Como todo o livro escrito por ele, não é uma história pesada, o livro é curtinho e gostoso de ler. E a história realmente fica emocionante do meio para o final, quando somos apresentados a algum mistério que te faz roer as unhas e devorar o livro até o final em poucas horas.
Quem é você, Alasca? é extremamente cativante. Não me fez chorar, mas me fez pensar muito sobre o sentido da vida e em como devemos lidar com a morte de pessoas próximas e queridas.
O personagem principal se chama Miles Halter, mais conhecido por “Gordo”. Gordo é um guri nerd, introspectivo e que não possui muitos amigos. Tudo muda quando ele decide trocar de escola, e ir para a escola interna onde seu pai e alguns outros parentes estudaram. Lá, Gordo é apresentado aos seus novos amigos e, com o decorrer da história, ao ‘elenco’ principal de personagens. São eles: o Coronel, a Alasca, o Takumi e mais tarde, a Lara. Com eles, Miles aprende a fumar, a beber, mas principalmente, a se divertir. A Escola Culver Creek não aceita condutas erradas por parte dos alunos, então para fazer coisas que vão contra o regulamento, Miles é apresentado a novos lugares.

Mas o ponto principal da história, e acredito que a capa do livro represente bem o que ela significa é “O primeiro amigo. A primeira garota. As últimas palavras”. 
O primeiro amigo é o Coronel. Ele e o Gordo dividem o quarto e por isso acabam se dando muito bem. Miles descobre a amizade através do Coronel e aprende que nem tudo são flores numa amizade e que é preciso esforço das duas partes para tudo dar certo.
A primeira garota provavelmente diz respeito a Alasca (nome estranho, não?!). Desde a primeira vez que Miles vê ela, fica apaixonado pelo jeito da garota. E que jeito! Eu me irritava algumas vezes pela personalidade volátil dela. Uma hora animada, outra hora histérica, outra hora totalmente uma incógnita. Mas, ainda há a possibilidade de ser a Lara, que ele acaba ficando junto no desenrolar da história. Foi seu primeiro beijo e tudo mais, por isso pode ser a primeira garota da vida dele. Mas, ainda aposto minhas fichas na Alasca.
E as últimas palavras se referem ao hábito de Miles. Ele decorava as últimas palavras de pessoas famosas. Ele gostava de ler a biografia de certas pessoas, não porque conhecia os livros ou feitos dessas pessoas em vida, mas sim, porque gostava de saber quais eram as palavras finais ditas por uma pessoa à beira da morte. E bom, isso acaba sendo bem significativo no final do livro. Não vou contar para não estragar a surpresa, claro 🙂

Enfim, a história é leve e gostosa de ler, como todo livro de John Green. Como dizem por aí, até a lista de compras do escritor deve ser interessante! haha
Não desistam da história até chegar ao ponto crucial! Ele pode ficar bem calminho no começo, mas o final é ótimo. E como sempre, a sensação que eu fico quando termino os livros de Green é de que eu queria saber muito mais. Quem sabe ele se inspire e faça algum livro estilo George Martin, né?! haha

 

Sinopse:

“Miles Halter é um adolescente fissurado por célebres últimas palavras – e está cansado de sua vidinha segura e sem graça em casa. Vai para uma nova escola à procura daquilo que o poeta François Rabelais, quando estava à beira da morte, chamou de o ‘Grande Talvez’. Muita coisa o aguarda em Culver Creek, inclusive Alasca Young. Inteligente, engraçada, problemática e extremamente sensual, Alasca levará Miles para o seu labirinto e o catapultará em direção ao Grande Talvez.”

 

logo fundo transparente1

Anúncios

Publicado em 19 de julho de 2014, em Livros Internacionais, Resenhas e marcado como , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 1 comentário.

  1. Eu já não estava bem, e o livro me incentivou a começar a ter bulimia, depois no msm dia que terminei, que e você lasca, comecei a ler cidade de pape que me incentivou tentar suicídio. Eu estava mt mal nessa época, mas já estou bem.
    Eu me identifiquei muito com os 2 livros pq na época
    em questão estava nós ltios meses do ensino médio e estudava em internato

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: